Por Luis Antonio Balduino

O Velho Continente oferece inúmeras opções para quem deseja viajar e ou se aperfeiçoar no hobby do motociclismo. A paisagem diversificada em distâncias relativamente curtas permite, por exemplo, ir do alto das montanhas Dolomitas ao litoral da Croácia em poucas horas. Uma extensa malha de pequenas cidades e vilarejos antigo ligados por estradas cheias de curvas e com asfalto de boa qualidade traz muito prazer à pilotagem, embora, caso necessário, se possa fazer uso das excelentes autoestradas em quase todos os países europeus. Muitas culturas diferentes, próximas umas às outras, tornam os passeios sempre interessantes, os quais podem incluir também boas experiências gastronômicas.  A eliminação dos controles de fronteiras com o Acordo de Schengen e a presença universal do euro mesmo em países que ainda não adotam essa moeda facilitam enormemente as viagens. O trânsito é em geral bem disciplinado, o que reduz um pouco o risco para motociclistas.

Como a segurança no motociclismo depende muito do aperfeiçoamento da pilotagem, as maiores marcas europeias, BMW, Ducati, Triumph oferecem centros dedicados ao aprendizado onroad e offroad, com cursos em vários formatos, desde aulas gerais até “workshops” de aprofundamento em viagens-curso. Esses treinamentos são fundamentais para dar maior habilidade aos pilotos amadores, aumentando o prazer da pilotagem. A BMW, além dos cursos oferecidos tradicionalmente próximo a Munique, abriu por intermédio de parceria, um centro perto de Málaga, na Espanha. Onde o clima ameno do Mediterrâneo permite a realização de cursos também durante o inverno europeu, fora da temporada de motociclismo, que vai de abril/maio a outubro.

O aluguel de motos é oferecido em muitas cidades grandes, inclusive com os baús laterais e top cases para bagagem. Os preços ainda não mais caros do que os equivalentes de automóveis, mas a prática vai-se popularizando. É possível organizar viagens por conta própria, mas também por meio de agências com frotas próprias especializadas em tours para motociclistas. Os tours organizados por agências normalmente contam também com carro de apoio, que, além de levar as bagagens, permitem a solução de eventuais problemas mecânicos durante o trajeto. Além disso, garupas que se sintam cansadas de viajar na moto podem pegar “carona” no carro de apoio, sem deixar de aproveitar o passeio.

A Europa é também palco de importantes eventos do mercado motociclístico, notadamente a Esposizione Internazionale Ciclo e Motociclo de Milão (EICMA), realizada normalmente no mês de novembro. Ali os fabricantes expõem seus principais lançamentos a cada ano. O mercado de motocicletas encontra-se em transição. Em razão da transição demográfica, os fabricantes se deparam com o desafio de atrair novos consumidores. Nesse contexto, apostam cada vez mais nas mulheres e buscam também despertar o interesse do público jovem. A onda de lançamentos com um visual retrô, como a Ducati Scrambler, a BMW  R NineT e a Triumph Bonneville Bobber, entre outros, exemplificam essa tendência.

Esta coluna vai procurar seguir esses assuntos no Velho Continente, com ênfase no motociclismo como hobby, sobretudo os passeios. Aqui vão alguns exemplos de atrativos para os motociclistas na Europa:
Foto_0001_LF

O BMW Motorrad Days, organizado anualmente no mês de julho em Garmisch-Partenkischen, no alpes alemães, além de mostrar novidades da marca e oferecer palestras e treinamento em diferentes modalidades, possibilita passeios por uma belíssima região.
Foto_0002_LF (2)Contemplando as nuvens abaixo do Passo do Stelvio (2757 m), um dos ícones do motociclismo nos Alpes italianos.
Foto_0003_LF

Os Dolomitas, no leste dos Alpes italianos foram declarados patrimônio da humanidade pela UNESCO. São montanhas de incrível beleza.
Foto_0004_LF

A fenda de Tremosine, na Strada dela Forra, Lago di Garda, também atrai motociclistas do mundo inteiro.
Foto_0005_LF

A Baia de Kotor (Montenegro) forma um magnífico fiorde. Pode-se chegar ali descendo a rodovia costeira da Croácia, passando por belos lugares como Zadar, Trogir, Split e Dubrovnik.

Até a próxima,

Luis Antonio Balduino