Na pilotagem com prazer velocidade não faz sentido no grupo

Velocidade não é o impoerante, o importante á ter prazer

Velocidade não é o importante, o importante é ter prazer

As regras da pilotagem com prazer –  Ajuste a velocidade da curva cedo, porque se ultrapassar o ponto de entrada você nunca vai se recuperar.

Nas regras da pilotagem com prazer o perigo fica controlado – Na motocicleta a segurança sempre é ativa, não tem para-choques ou cinto de segurança.

Visão da estrada

Visão da estrada

Olhe adiante na estrada. Manter a visão no horizonte reduz a impressão de velocidade e ajuda a evitar situações de pânico. Manobre a moto rapidamente. Há uma razão pela qual “The Doctor” faz musculação, precisa força para virar uma moto em velocidade. Use os freios com suavidade, mas com firmeza. Aplique e solte, não agarre-os. Acelere cedo na saída da curva. Colocar tensão no chassi é bom especialmente na saída de uma curva esburacada. Nunca cruze a faixa central, a não ser numa ultrapassagem. Cruzar a linha do centro numa curva é admitir que você na verdade não pode fazer curvas fechadas com sua moto. Em termos de competição, sua faixa é sua pista; ficar na sua faixa adiciona desafios na maioria das estradas e é essencial para o futuro do esporte. Não abuse na linha do centro, previna a vinda de um carro invadindo com duas rodas na sua faixa. Não faça pêndulo nas curvas e não se abaixe nas retas. Sentar confortavelmente na moto chama menos atenção e é mais seguro. Também dá mais margem de segurança. Quando estiver liderando, pilote pelo grupo. Boa comunicação é implementada com gestos das mãos e do pisca-pisca. Mude de direção e de velocidade suavemente. Quando estiver seguindo, ande com o grupo. Se você não segue o líder não espere que alguém lhe siga também quando estiver dando a pilotagem com prazer.

Sair em aceleração total e deixar a frenagem para o último minuto não tem a menor graça

Aceleração total é estupidez

Aceleração total é estupidez

Com isso eliminamos as duas maiores causas de acidentes. O “momento” (quantidade de movimento) na curva é o que interessa, fazemos os movimentos no guidão como forma de colocar a moto na situação da curva, com um gesto rápido, sem perda de tempo ou distância. Uma vez que o acelerador não foi arregaçado todo aberto na saída da última curva, agora também não é necessário muito freio. É comum a gente andar o dia inteiro sem ver uma luz de freio acender. Mas se for necessário freio, eles são acionados suave, rapidamente e com uma boa força para adequarmos a velocidade da curva de imediato, num mínimo de tempo. Entrar na curva com freio muito acionado é pedir para sair da pista, uma confissão de que você estava no seu limite e deixou de ajustar a velocidade correta na hora certa, você ficou com o acelerador aberto muito tempo. Na pilotagem com prazer se diminui a dependência no acelerador e freios, os dois controles mais fáceis de se abusar, e ainda aperfeiçoa a sua habilidade em avaliar a velocidade de entrada nas curvas. Esse é o aspecto mais desafiador na pilotagem esportiva nas ruas.

A formação em fila dupla intercalada é a mais segura para o grupo

A formação em fila dupla intercalada é a mais segura para o grupo

A sua faixa é o seu limite – Cruzar a linha central da pista fora de uma ultrapassagem é intolerável e é mais um sinal de que você está puxando demais seu limite para continuar junto. Mesmo que você tenha uma visão clara de uma curva à esquerda, fique à direita da linha central. Assim é muito mais desafiador do que cortar toda curva e quando o grupo todo se compromete com essa prática inteligente a tentação de trapacear é eliminada com um pouco de determinação e explicação lógica dos líderes.

A sua “pista” é a sua faixa, permaneça nela

Você vai onde seu olhar se fixa

Você vai onde está seu olhar

Apesar de que pilotagem nas ruas não deve ser descrita em termos de competição, você pode imaginar que a sua faixa é a sua pista. Sair da sua faixa é tipificar um acidente, em termos da pilotagem com prazer. O controle total da moto lhe permite usar cada centímetro da sua faixa, se a circunstância permitir. Na curvas com visibilidade e sem trânsito contrário, inicie no limite externo da sua faixa, vire a moto relativamente tarde na curva para tangenciar tarde também, no limite interno da faixa e acelere na saída encostando novamente na parte externa da faixa ao levantar a moto. Esterçe sua moto com força, mas com suavidade para minimizar o tempo de transição; Não jogue-a rápido demais porque o chassi vai oscilar reagindo à sua força e pode lhe tirar do alinhamento. Como você não carregou nos freios você pode acelerar mais cedo também, antes da tangente, o que equilibra e ajusta sua moto para a aceleração final na saída. É muito frequente que as circunstâncias não lhe permitam o uso total da sua faixa, da linha amarela até a branca e de volta novamente. Curvas cegas, trânsito contrário ou sujeira na pista são critérios para uma abordagem mais conservadora. Portanto, deixe um metro como margem de erro, especialmente na esquerda da faixa por onde o tráfego contrário pode se tornar perigoso e fatal. Simplesmente estreite a sua faixa na entrada da curva cega à direita e mova sua tangente para dentro de sua faixa nas curvas cegas à esquerda para se manter livre do tráfego contrário que por ventura invada a sua faixa. Como você está andando na pilotagem com prazer e não no limite, suas entradas nas curvas são controladas e oferecem tempo adicional para lidar com sujeira na pista. Normalmente a faixa externa da curva é mais limpa porque os automóveis carregam mais as rodas externas das curvas, limpando esse espaço do pavimento. Então, concentre-se nessa área.

Um bom líder quer seguidores – A rua não é ambiente para competição, deve-se ter humildade, auto confiança e autocontrole na manutenção da sua segurança.

Discrição – Nas estradas públicas é respeitado quem apresenta bom comportamento, procure não aparecer demaisbig-trail-wheelie

O líder impõe a pilotagem com prazer e monitora pelo espelho um comportamento radical nas colunas que o seguem, como abaixar nas retas, cruzar as linhas amarelas e sair em pêndulo nas curvas. Se o líder se distancia, ele simplesmente diminui a velocidade na reta mas continua a se divertir nas curvas. O grupo pequeno, de três ou quatro pilotos com quem costumo andar e é tão harmonioso que a pilotagem com prazer é idêntica, não importa quem está liderando no momento, a liderança é substituída regularmente, a um sinal com a mão mas nunca se assume a liderança com o ego por debaixo da manga da jaqueta. Não se enganem, a pilotagem é rápida e gostosa nas curvas, qualquer um que tenha uma mão direita sabe enrolar o cabo nas retas. Mas é com proficiência nas curvas que se faz com que a pilotagem com prazer ganhe vida. As distâncias que usamos entre nós é relativamente grande, porque nas retas seguimos em velocidades mais moderadas e lá se torna perfeita a oportunidade de ajustar as diferenças. Manter uma boa distância serve a vários propósitos. Além de ser mais seguro, as pedras levantadas são mínimas. No estilo da pilotagem com prazer, não sair em pêndulo nas curvas também reduz as aparências de uma tocada agressiva e adiciona um grau de maturidade e sensibilidade aos olhos do público e da lei. Há um grande desafio em atacar as curvas rapidamente enquanto se senta de modo comportado na sua moto. A doutrinação de novos pilotos leva algum tempo porque na pilotagem com prazer desenvolve-se velocidades altas nas curvas e os novatos vão acelerar muito nas saídas para tentar recuperar as perdas das entradas. Nosso grupo diminui drasticamente quando um novo companheiro se junta a nós porque a nossa técnica de velocidades moderadas nas retas e ficar longe dos freios ao entrar numa curva pode incentivar um novato a tentar muito rápido na entrada de uma curva, criando uma condição para um acidente do tipo mais comum. Quando tiver um piloto novo na turma, atrás de você, dê um toque no freio para avisá-lo, bem antes da curva para ele perceber que não há pressão no grupo e que ele pode se sentir à vontade. Há muita comunicação no nosso grupo, um pé fora da pedaleira indica sujeira na pista e toda diminuição ou intenção de curva são sinalizadas antes, com o braço e mão esquerda. Os piscas são usados para sinalizar mudanças de direção e ultrapassagens, um aceno com a mão esquerda agradece os carros que abrem caminho para o grupo. Como você não está se agarrando ao guidão para se salvar da morte você tem a mão esquerda livre para acenar também aos outros motociclistas que passam, pilotagem com prazer. Um costume em extinção, mas que é muito saudável e que gostaríamos de ver renascer, cortesia. Se você está captando a idéia, a pilotagem com prazer é uma maneira relaxada e não competitiva de pilotar em grupo.

Relaxe e brinque – Eu prefiro passar um domingo nas montanhas pilotando com prazer do que um domingo na pista de corrida, é bem mais gostoso.

Prazer em pilotar

Prazer em pilotar é o mais importante

Contra-esterço é a ação, com movimento suave, mas com força no guidão, que é transmitida rapidamente às áreas de contato dos pneus através de um chassi de estrutura rígido de uma super esportiva. A pilotagem com prazer certamente era o que os engenheiros tinham em mente quando evoluíram as motos de corrida para as de ruas. Mas a máquina não é o aspecto mais importante na pilotagem com prazer, porque você pode fazê-lo com quase tudo que consegue contornar uma curva.
A atitude é o aspecto mais importante, e também que você perceba que o amigo à sua frente não é um adversário e que respeite o seu direito de liderar o grupo, dando crédito às suas habilidades de piloto.
Você tem que ter a maturidade de limitar a sua velocidade nas retas para permitir que o grupo fique junto e perceber que táticas de corrida como brecar tarde e acelerar tudo até a faixa vermelha vai te derrubar na opinião pública e com a polícia e possivelmente te apresentar as leis implacáveis da física. Quando o grupo chega ao destino depois da pilotagem com prazer, ninguém se sente na obrigação de provar nada na volta. Se tiver vá para a pista de corrida. Na pista a sua velocidade é mensurada com cronômetro numa competição direta, gana e agressividade são bem vindas e se mostram adequadas. Pilotagem de performance nas ruas só tem um requisito: a diversão, não o tempo das voltas, posição na linha de chegada ou quem ficou para trás.
As diferenças são grandes mas nem sempre lembradas por pilotos que não descobriram a pilotagem com prazer. A pureza em fazer curvas e envolvimento do grupo. Radicalize nas pistas, mas entre na pilotagem com prazer nas ruas. Para o motociclista a rua não é pista de corrida – é um lugar de diversão, de Ritmo. Duas semanas atrás um piloto morreu quando sua moto caiu num abismo numa de nossas rotas favoritas. Não havia sujeira na pista, nem tráfego no sentido contrário que lhe tirasse da linha. O cara simplesmente errou. Muito entusiasmo e pouca habilidade e essa fatalidade não foi a primeira desse ano. Como na maioria dos acidentes de uma única moto, o piloto entrou na curva numa velocidade que seu cérebro julgou em excesso, levantou a moto e pisou no freio traseiro, adeus. Se fosse na pista de corrida o cara ia de encontro ao feno, teria visitado a ambulância, feito alguns curativos e voltaria aos boxes para desentortar o guidão e pensar sobre a bobagem que fez. Então vamos deixar uma coisa bem clara: A rua não é pista de corrida. Usá-la como se fosse vai encurtar a sua carreira de piloto e você não vai descobrir como é a pilotagem com prazer. A pilotagem com prazer passa longe das corridas de rua, e é muito mais divertido. A pilotagem com prazer coloca a motocicleta no seu devido lugar, como um veículo controlado e não que controla. Pilotos demais se transformam em passageiros quando torcem o cabo – a velocidade é tão impressionante que eles são literalmente carregados pela a enxurrada de cavalos. A pilotagem com prazer ignora as velocidades em excesso e pode ser tão divertida numa CG 125 quanto em  uma KTM 1290, onde se enfatiza a habilidade do piloto contrariamente à força ou macheza em virar o punho direito. Qualquer idiota pode fazer isso, mas sabe pouca coisa sobre como parar ou fazer uma curva. Aprender a parar vai salvar-lhe a vida; aprender a fazer curvas vai enriquecê-la. Existe melhor sensação do que inclinar uma moto numa curva? A mecânica de fazer curvas com uma motocicleta envolve empurrar e puxar as barras do guidão, apesar disso não ser novidade para a maioria dos pilotos, perceba que a força aplicada afeta a intensidade em que a moto entra na curva. Vire rapidamente o guidão para um lado e a moto literalmente cai para o outro.

Para subir a moto ele vira para a direita

Para subir a moto Marc Marquez vira para a direita

Empurre gentilmente o lado interno da curva que quer fazer e a moto calmamente se inclina para esse lado. Curvas diferentes requerem técnicas diferentes, mas assim que você começa a pensar em linhas, entradas e tangentes tardias, virar a sua moto no momento exato e obter a inclinação correta requer gestos fortes e precisos ao guidão. Se você leva menos tempo para fazer uma curva na sua moto você pode usar esse tempo para frear mais efetivamente ou entrar mais fundo na curva, Dar mais tempo para você mesmo para julgar a curva, dar uma olhada melhor no ambiente procurando por surpresas inesperadas. É importante olhar o mais fundo possível dentro da curva e lembre-se da máxima: “Você vai para onde você olha“.

Não corra – A habilidade número um, depois de aprender a frenagem de emergência é acertar a velocidade ao entrar numa curva cedo, ou como o grande piloto Kenny Roberts diz, “entre devagar e saia rápido”.

Lugar de correr é na pista

Lugar de correr é na pista

Lugar de correr é na pista

Pilotos de rua podem se dar bem em 99 por cento das vezes entrando rápido numa curva mas vai ter aquela última que vai ter sujeira na pista, lama ou um carro vindo para cima no sentido contrário. Ajustar a velocidade cedo, vai lhe permitir corrigir sua velocidade e linha da curva, dando ainda tempo de se ajustar para qualquer outra surpresa. Todos nós já experimentamos entrar numa curva muito rápido sentindo não somente o terror, mas também a falta de controle ao tentar puxar a moto para a curva. Se você está lutando com os freios e tentando colocar a moto na curva qualquer surpresa vai ser impossível de lidar. Ajustando a velocidade correta bem antes da curva você vai poder olhar para ela e determinar que tipo de curva ela é: É de raio decrescente? Tem inclinação contrária? Há algum barranco que escorreu pela pista levando sujeira? Os pilotos de motovelocidade sempre falam a respeito de frear tarde, mas essa técnica somente é utilizada nas ultrapassagens, para se ganhar posição, não para ganhar tempo no cronômetro. Frenagem dura afeta a habilidade de julgar a velocidade correta na entrada da curva e a maioria dos pilotos que acionam demais os freios nessa hora são ultrapassados na saída porque acabaram por cortar demais a velocidade de contorno da curva. Adicionalmente, frear tarde muitas vezes obriga ao piloto entrar na curva com os freios ainda acionados, principalmente o traseiro. Enquanto a técnica de tocar com o traseiro é boa, observe que há apenas um tanto de tração disponível no dianteiro. Se você usar a maioria da tração do pneu dianteiro para a frenagem e ainda quiser que ele segure a tração para a curva, o que você vai conseguir é um tombo típico com a “frente saindo de baixo”. Considere também que a sua moto não vai entrar na curva tão bem com as bengalas comprimidas pela força dos freios. Se você luta com a moto nas curvas é provável que você está indo muito fundo com eles. Todos esses problemas podem ser eliminados ajustando a sua velocidade cedo e esse é um componente essencial para a pilotagem com prazer. Uma vez que você não martela nos freios em toda curva o seu prazer na pilotagem aumenta consideravelmente. Você vai curtir o movimento de deitá-la e acelerar assim que for possível. Pilotos falam sobre a hora de sair da curva numa corrida e na rua isso também é bastante importante. Perceba como a moto assenta e na verdade funciona melhor com o acelerador aberto. Use a mão direita com precisão num toque suave e consiga um movimento acelerado assim que possível para fora da curva. Se você se ver acelerando num ponto ridiculamente cedo, é sinal que sua velocidade de entrada era muito baixa, solte os freios antes para permitir uma velocidade na curva maior. Ao passar pela tangente você pode começar a levantar a moto. Isso é realizado melhor com a aceleração suave do motor que vai ajudar a endireitar a moto. Quando o pneu traseiro sair da inclinação máxima mais borracha entra em contato com o chão e as forças até então utilizadas para tracionar na curva agora podem ser usadas para empurrar a moto para frente, o acelerador abre enquanto a moto endireita sua inclinação. Nós não vamos lhe dizer qual é a velocidade segura. Nós vamos lhe dizer como ir rápido com segurança. A decisão é sua quanto à velocidade, mas ela requer reflexão e comprometimento. Altas velocidades numa estrada de quatro faixas completamente vazia é seguro mas é contra a lei; 80 Km/h numa estrada nas montanhas pode estar dentro da lei, mas pode ser perigoso. Reúna-se com seus amigos e discutam sobre a velocidade, decidam um máximo razoável e não ultrapassem esse limite. Da forma correta a pilotagem com prazer é gostoso, sem ter que andar em altas velocidades nas retas. O grupo em que eu ando se importa menos com velocidades altas entre curvas, qualquer idiota pode torcer o cabo. Se você vai toda hora a 160 Km/h, esperamos que você pratique frenagens de emergência nessas velocidades. Tenha em mente que altas velocidades vão lhe gerar multas que são complicadas de se livrar e dolorosas de pagar, cruzar as retas fáceis devagar não atrai tanto as autoridades, fica fácil encontrar os “radares” e ajusta a sua velocidade perfeitamente para os próximos “esses”.

Mentalidade do grupo –  A reta é o lugar para alinhar a fila. O líder precisa dar a tocada que não vai encavalar os seguidores, especialmente ao sair de um semáforo ou ao ultrapassar um carro numa estrada de mão dupla.

Na reta, espere o grupo para se juntarem novamente

O líder deve usar o acelerador para contornar o carro rapidamente e dar espaço para o resto do grupo fazê-lo também, sem entrar numa curva cega e colocar o grupo numa situação de infração. Com velocidades comportadas nas retas os vãos se ajustam facilmente; as motos devem guardar uma distância correspondente a dois segundos para terem boa visibilidade das condições da estrada. É do aspecto grupal da pilotagem com prazer que gosto mais, olhar as motos à minha frente deitar nas curvas como uma fila de dominós, ou olhar meus amigos pelos espelhos ao deslizarem pelas mesmas curvas das quais emergi segundos antes. Porque há um líder e um conjunto de regras a seguir, o aspecto competitivo do pilotar esportivamente é eliminado e isso tira a enorme pressão sobre o ego dos jovens pilotos, ou mesmo de um velho experiente. Todos nós sentimos a dor do ferrão do bicho da competição enquanto andamos com os amigos e estranhos, mas a pilotagem com prazer remove isso e coloca tudo no seu devido lugar, as pistas de corridas. Na pista de corridas é onde você pode provar sua velocidade e correr riscos para superar seus amigos ou rivais. Tenho meditado muito tentando imaginar uma forma de agregar toda nossa experiência e reduzir a exposição aos perigos do nosso esporte que invade as ruas e estradas públicas, sem abrir mão da diversão. A forma de conduzirmos nossas motocicletas deve convergir para uma sustentabilidade coerente com as vantagens inegáveis do nosso veículo de duas rodas, sem atrair a negatividade exposta pelos milhares de acidentes com motos que ocorrem anualmente no Brasil. A pilotagem com prazer enfatiza as técnicas de pilotagem inteligentes e racionais e ignora os heroísmos das pistas sem sacrificar a diversão. As competências necessárias à excelência nas pistas são as mesmas dos preceitos da pilotagem com prazer, exceto as velocidades estonteantes de forma que possamos contar com margens de segurança para atuar com o desconhecido. Nosso esporte encara legisladores preconceituosos, que pouco ou nada entendem dele, mas um pouco de controle e administração da nossa mão direita pode garantir nosso futuro.

Até a próxima!

Bitenca