Por: Rosana Draschi

Tour Marrocos

Um Tour que pelos olhos foi fotografado, hoje guardado na alma com as melhores recordações, experiência única, sonho realizado.

Através da Empresa Moto Atacama Entretenimento, tive a oportunidade de conhecer um dos países que mais me chamou atenção por sua beleza impar, pela sua cultura, pela mistura de Árabes e Berberes, pela sua religião Islã, seus costumes e suas línguas, que além das oficiais Árabe e Tamazight também predomina a língua Francesa.

Espero que, por meio de algumas fotos e relatos, eu consiga alimentar o sonhos de muitos.

1º Dia – Começo

Nosso Tour começou em Lisboa rumo á Tavira, Portugal, com 331 km, e com um pessoal super animado e ansioso por esta nova aventura, uma viagem que nos trouxe novos e velhos amigos.

No caminho, parada para o almoço na Vila de Castro Verde em um restaurante típico e de boa comida local, um lugar singelo, mas que fazem brilhar os olhos.

Na nossa saída, pegamos um pouco de chuva, mas a viagem continuou apenas com um imprevisto, nosso carro de apoio teve problemas, mas foi substituído de pronto, tendo um pequeno atraso na chegada em Tavira, pois as motos se locomovem melhor nas estradas um pouco estreitas, e por consequência enquanto esperávamos, fomos conhecer um pouco do local, centro histórico e a Pousada do Convento da Graça, onde tivemos um jantar com boas conversas e muitas risadas.

2º Dia

Seguimos para Tarifa, Espanha, com 380 km.

A  partir dali o coração bateu mais forte, estávamos prestes a atravessar o tão majestoso Estreito de Gibraltar. Uma travessia tranquila, com conforto e uma vista que nos deixou mais ansiosos ainda.

E amigos são para toda hora. O amigo e piloto Odair foi tomado por uma forte gripe e contando com todo o reforço do carro de apoio e sua equipe, ele e sua moto foram de carona e como sua esposa Sachie não quis perder nenhum instante da viagem, eu a trouxe em minha garupa por três dias. Obrigado pela confiança!!

 

Enfim, motos embarcadas no Ferry, e a primeira cidade de Marrocos que nos aguarda é Tanger, passada a fronteira com suas formalidades e carimbadas números de registros em nossos passaportes, podemos começar a desfrutar das belezas de Marrocos, como  este belo por do Sol.

A chegada em Tanger foi de muita emoção, pois estávamos ao meio de uma cultura diferente de nossos costumes. A recepção do Hotel foi com chá de Hortelã, o qual nunca provei igual, e nos receberam  com muita alegria, por que os brasileiros são muito bem vindos em Marrocos.

Lembrando que precisamos ter muita atenção ao transito, um pouco imprevisível, sejam com veículos, pessoas ou animais.

3º Dia

No terceiro dia, a caminho de Fez, passamos por Chefchaouen, conhecida como a Cidade Azul, encantadora aos olhos, com o azul predominante e o colorido que se mistura ao meio as ruas pequenas de um comércio local.

Almoço com comidas típicas, sempre com muito legumes, e o famoso Tajine, e até a companhia de um Sheik muito receptivo.

Neste dia percorremos 335 km, com boas estradas, e nosso destino para o quarto dia é Fez.

4º Dia

Em Fez, tiramos um dia de passeio, pois na Medina tem um comércio com muitas tradições locais a serem vistas, encontramos uma variedade de produtos onde podemos efetuar algumas compras como lembrança da viagem, desde couro preparado em seu curtume, até roupas bordadas a mão por homens. encontramos também bules e pratos de prata, farmácias apenas de remédios  a base de ervas, açougues ao relento, tapetes feito a mão que levam até 9 meses para ficarem prontos e o famoso óleo de Argan.

É um local de muito movimento, por isso sempre circule com um guia, se não poderá se perder em um labirinto de ruelas, e se ouvir alguém gritando “Balac Balac” saia da frente, rsrsrsrs, são os burricos correndo para entregar sua carga, e também é muito bonito de se ouvir o toque de chamada para as orações nas Mesquitas, todos os homens param o que estão fazendo para se dirigir a Mesquita mais próxima.  Medina é um lugar de muitas cores, cheiros e tradições.

As fotos falam por si.

Vimos muito que o trabalho pesado ainda continua sendo para as mulheres, pois os homens cuidam de seus comércios, as mulheres, mantendo a tradição não podem se expor tanto a contatos com outro homens e até mesmo com turistas. Todas usam a vestimenta que só permite ver a cabeça e o rosto e algumas ainda usam a Burca, roupa a qual só mostram os olhos. Não podemos tirar fotos delas.

5º Dia

Quinto dia, seguimos para Er Rachidia, com 340 km, passando pelos Alpes Atlas, e conhecendo a Suíça Marroquina, a cidade de Ifrane.

Sentimos frio?? Sim, mesmo no deserto vimos neve e sentimos frio. O quão é maravilhoso este lugar.

Neste trecho tivemos oportunidade de ver a fabricação do óleo de Argan, inimaginável sua produção, as cabras colhem as sementes para comer, derrubando varias ao chão, e depois manualmente em uma roda de pedra as sementes de Argan são trituradas até a extração de seu óleo, para produção de cremes, óleos para massagem e para culinária.

6º Dia

Apenas 140 km separam Er Rachidia de Merzouga, mas no caminho paramos para visitar o Oásis Ziz, local o qual foram oferecidos 10 camelos para que eu ficasse e me casasse com um dono de uma pousada que já tem mais três esposas. Uma cultura que é normal para eles e um pouco assustadora para nós, rsrsrsrs. Não consigo me imaginar morando no deserto sem poder pilotar uma moto.

Chegando em Merzouga no Albergue Les Dunes D´or que fica no meio das dunas, podemos ver o por do sol, passeio de camelos e também pudemos atolar algumas motos na areia.

Um hotel em meio ao nada no deserto, maravilhoso!

7º Dia

No sétimo dia seguimos para Boulmanedades, com 303 km de distância, paramos em Alnif para tomar uma aguá e conhecer o artesanato e os fósseis que foram encontrados naquela região.

O almoço foi em um hotel a caminho da Garganta de Todra, estrada muito estreita mas com paisagens lindas onde nos levou ao Rio Todra de água cristalina, o qual atravessa as montanhas do Atlas, este local é uma das maiores atrações de Marrocos, por seus desfiladeiros que chegam até 160 metros de altitude.

File:Yaz emblem.svg - Wikipedia

Neste percurso de montanhas  vimos frequentemente o símbolo Yaz, que representa em Berbere um homem livre, que até pouco tempo isso não era tolerado.

8º Dia

Nosso oitavo dia, seguindo para Ait Benhaddou passamos pelo Vale do Dades, com uma estrada um tanto peculiar, mas que também denominei de “O Stelvio Marroquino” a foto mostra o porque. rsrsrs

Ait Benhaddou é a cidade onde ficam os museus do cinema locais, os quais foram filmados vários filmes famosos como, A Múmia, Gladiador, Lawrence da Arábia, Alexandre e o Príncipe da Pérsia. Lugar lindo de se conhecer, pois ali tive a ideia do como são os cenários de filmes como estes, pudemos visitar a sala onde ficam todos o materiais de filmagem, câmeras muito antigas e figurinos de alguns filmes.

Nossa estadia em Ait Benhaddou foi no Hotel Riad, lugar maravilhoso e com uma vista de encher os olhos e realmente faz você se sentir no deserto.

9º Dia

No nono dia apenas 195 Km nos separam da segunda maior cidade de Marrocos, assim como a cidade de Fez, Marrakech, também tem uma divisão entre a parte nova da cidade e a mais antiga.

No caminho para esta cidade podemos contemplar as lindas montanhas do Alpes Atlas.

A chegada á Marrakech exige muita atenção, mesmo estando de carro, a pé ou de moto, o transito torna-se abundante, pesado e caótico, mas nada impossível de transitar com muita paciência.

O ponto turístico principal para se conhecer é a praça Jemaa El Fna ou Djemma El Fna, o nome da praça  pode ser traduzido como “Assembléia dos Mortos” pois no passado era o local onde eram executados criminosos, cujas cabeças ficavam expostas para servir de exemplo. No entanto, também pode ser traduzida como “Lugar da Mesquita desaparecida” como referencia a uma Mesquita destruída.

Nesta praça encontramos encantadores de serpentes, varias barracas de comes e bebes onde jantamos, vendas de roupas e sapatos típicos, lembrancinhas locais, panelas de Tajine, dentre outros artefatos, é um lugar de muito movimento de locais e turistas, mas que com certeza vale cada segundo desta viagem.

10º Dia

No décimo dia saímos de Marrakech de volta a Tanger para travessia do Ferry, o jantar nos espera em Tarifa na Espanha com uma boa noite de descanso.

11º Dia

Logo ao amanhecer no décimo primeiro dia, saímos de Tarifa para conhecer a linda cidade de Sevilha, com 255 km de estradas maravilhosas e a visita a cidade de Ronda, tida como a berço das touradas e suas belezas magnificas dos penhascos sobre o Vale do Moinho, com direito a almoçar uma Paella.

Depois de um almoço delicioso e esse lugar maravilhoso, seguimos para Sevilha a tempo de conhecer suas ruas, praças e a Catedral Central, podemos encontrar pessoas dançando tango em alguns pontos da cidade. É uma cidade grande e maravilhosa.

12ª Dia – Final

Chegado o décimo segundo dia, seguimos para nosso destino final, Lisboa, local onde tudo começou e de onde seguiremos de volta para casa.

Tour Marrocos, se eu faria tudo de novo?

Sim, eu faria!!

O deserto é maravilhoso, lugares que entram na alma, as pessoas são muito receptivas, tenta ao máximo falar o português de Portugal para nos atender bem, na maioria dos locais que chegávamos éramos recebidos com o chá de menta, de sabor marcante e em alguns hotéis fomos recebidos com muita música e dança.

Viagem muito, mas não se esqueçam, façam suas viagens sempre por uma empresa, para terem todo apoio e conforto necessário, assim sempre terá boas lembranças; imprevistos acontecem, mas tudo o que te enche os olhos e trás boas lembranças, deixa calmo o coração.

Nunca perca de vista os seus sonhos, eles são o melhor que você pode viver!!!

Rosana Draschi