Olá amigos e amigas, nessa evolução de proporções geométricas de tecnologia, o mercado de duas rodas também tem se mostrado preocupado em inovações não somente no quesito de sustentabilidade, mas também na forma de como elas poderão entrar no mercado sendo um bem durável.moto-zero-DS-2

Hoje estamos vendo que as motos elétricas estão a mercê de conceitos que determinam um bem durável limitado pela vida de cada bateria que faz parte desse conjunto de propostas.

Aqui posso abordar inúmeras vantagens que estão informando em relação as motos de propulsão a gasolina e assim são mesmo.

São mais confiáveis em durabilidade das peças e mais simples nas suas manutenções que numa primeira preocupação seria na geração de empregos, mas que com certeza absorvidos pela inovação e expansão desse mercado, não teriam prejuízos para as empresas que terão que investir mais fortemente na qualificação de seus colaboradores em todos os níveis.

O desempenho igual aos motores de combustão, mas uma ressalva, a durabilidade e autonomia serem maiores, pois ainda não há estudos científicos confiáveis para cravar como certeza essas afirmações a longo prazo.

Se falarmos no custo de abastecimento apenas, sem botar nessa conta as estações de geração dessa energia(que o custo inicial pode ser alto se aplicados em produção fotovoltaica e eólica em sua casa por exemplo), o custo das motos elétricas é realmente muito menor e que somados aos custos de isenções ou reduções de impostos (que no Brasil não está ainda contemplado como no projeto Rota 2030, que só privilegia os veículos, caindo o IPI de 25% para 7% e o absurdo no imposto de importação que para os carros híbridos, vão de 0 a 7% e as motos esse imposto gira entorno de 20 a 25%) como também em limitações de áreas de circulação e estacionamentos, podendo ser ao longo de sua utilidade, uma enorme vantagem.

Como estão vendo, já aqui estou colocando o contraponto de melhorias que podem ainda ser buscadas mesmo não sendo feito nada ainda.

Aqui no Brasil, algumas montadoras ainda estão acreditando que a utilização de motores flex, ou híbridos elétricos e combustão, são soluções mais propicias devido as particularidades de produção energéticas de cada região. Você acredita nisso? Eu não e sabe porquê? Porque aqui a minha reflexão está focada também na sustentabilidade e não tem outra alternativa de solução se não falarmos isso.

Mais cedo ou mais tarde as grandes indústrias e governos terão que partir fortemente para o debate. Já há uma mudança nas montadoras fora do Brasil, por exigências governamentais de sustentabilidade, que obrigam a elas pensarem em produtos sustentáveis mais duráveis ou com redução de custos como na produção de baterias que possam ser usadas em todos os tipos de motocicleta.  A mudança não é só nas matrizes energéticas e sim na cultura da sustentabilidade, na produção de bens duráveis e alimentares do nosso futuro.

Minha reflexão vai além disso.

Porque não vemos hoje ainda acessórios que possam agir diretamente na propulsão das motos, aproveitando placas solares de alta tecnologia durável? Ou exemplos de mochilas ou placas nas próprias motos que produzam energia enquanto estejamos rodando, ou mesmo de recomposição de energia quando se usa a frenagem ou deslocamento do vento em tubos de energia eólica que poderiam recompor isso?

Porque não vemos ainda propulsores de energia tesla, a água ou até mesmo energia magnética que poderiam ser livres de cobrança de um mercado onde tudo temos que gerar renda e lucro?

Gerar lucro em energia vai ter um fim e só trabalhando em energias livres e sustentáveis, irão mudar essa regra e assim o nosso planeta terra poderá mostrar ainda mais a sua capacidade em nos fazer felizes.

Acreditam nisso?

Eu sim, já que é fato sabermos que as motos são independentes quando falamos em alimentação de energia do motor com certeza, mas se isso em um futuro próximo não for fortemente debatido, e tomada uma posição de liberdade de energia e fabricação de bens duráveis permanente,  as futuras “motocicletas”  voltarão a ser no pedal mesmo.

Forte abraço pessoal.

José de Jesus Teiga Júnior
Fotos: (Divulgação).

Vejam algumas soluções e debates sobre esse assunto nesse momento:

https://www.ribabrasil.com.br/

https://carros.uol.com.br/noticias/redacao/2018/07/31/carros-sim-mas-e-motos-eletricas-veja-o-que-a-industria-pensa-sobre-isso.htm

https://rnaimports.com/motos-eletricas/

https://carros.uol.com.br/noticias/redacao/2018/07/31/carros-sim-mas-e-motos-eletricas-veja-o-que-a-industria-pensa-sobre-isso.htm

https://www.zeromotorcycles.com/

https://www.moto.com.br/acontece/conteudo/rumor-kawasaki-trabalha-em-versao-eletrica-inspirada-na-ninja-300-153637.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter-17-04

https://motociclismoonline.com.br/noticias/triumph-trident-eletrica/