Por Luciano Peixoto

Antes de nos aprofundarmos neste tema, não podemos deixar de falar sobre a importância de uma integração máxima entre a motocicleta e o piloto. Pensando assim, precisamos entender quais os ajustes necessários na sua motocicleta para prosseguirmos nesta direção e dessa forma obter uma melhor condução da sua big trail no fora de estrada.IMG-20170617-WA0017

Como ponto de partida temos a informação que o centro de gravidade da motocicleta está nas pedaleiras, onde os engenheiros entenderam que deveria ser o principal ponto para uma possível atuação do condutor com o objetivo de se obter uma maior eficiência em seu conjunto. Concordando com essa condição, entendemos que a pressão nas pedaleiras de alguma forma possibilita um resultado ainda melhor e é mais seguro na condução da sua motocicleta, ou seja, quando vemos os pilotos profissionais ou mesmo amadores conduzirem as suas motocicletas em pé em terrenos acidentados, não importando o nível técnico de dificuldade, assistimos a forma correta de se conduzir no fora de estrada, onde o conjunto se comporta como foi projetado para obter o máximo de sua eficiência. Pois é, em pé na motocicleta você consegue resultados importantes como: Melhor trabalho da suspensão permitindo desta forma melhor aderência aos diversos tipos de pisos existentes na prática do fora de estrada, superar os obstáculos que você poderá encontrar pelo caminho com uma condução prazerosa e mais segura e principalmente extrair da sua big trail o melhor que ele pode de oferecer, se permitindo explorar cada canto deste mundo e vivenciar experiências fantásticas!

Vamos lá… Conduzir em pé não requer tanta habilidade e sim confiança e para isso o importante é o entendimento de como fazer, seguido de prática. Mas para um real entendimento desta primeira dica temos que voltar aos ajustes necessários da sua motocicleta com objetivo de se obter uma total integração entre ela e você, ou seja, um único conjunto.

De preferência coloque-a no cavalete (descanso central), o primeiro passo é ajustar o guidão na posição ideal para uma condução em pé, onde ao se posicionar desta forma lembra-se de flexionar levemente os joelhos (mais tarde entraremos neste detalhe), nesta posição o guidão deverá ser ajustado para frente ou para traz permitindo que os braços também possam ficar ligeiramente flexionados. (utilizar ferramentas corretas e de preferência recomendasse a realização dos ajustes necessários por um profissional ou pessoa com conhecimento mínimo para tanto, mesmo que não tenham o conhecimento do porquê dos ajustes que estamos indicando, neste caso eles deverão ser orientados por vocês, mas em contrapartida possuem as ferramentas corretas e conhecimento e prática na utilização das mesmas e toques necessários para o aperto dos parafusos).  Lembrando que mesmo com o melhor ajuste possível realizado vocês ainda ficam muito curvados quando se posicionam em pé na motocicleta, é necessário buscar outros recursos existentes no mercado como, um guidão mais alto ou um alongador que proporciona aumentar a altura do mesmo.

Segundo passo, ajustes dos manetes: Por consequência do ajuste do guidão a altura e inclinação dos manetes são alteradas, portanto é necessário reajusta-las. Neste caso a nossa referência será uma linha paralela ao chão tendo como ponto de apoio a parte de cima dos punhos da motocicleta, podendo utilizar a palma da mão ou qualquer objeto com a base reta ou mesmo um nível que permita que vocês tenham uma referência da distância para baixo a partir deste ponto da altura dos manetes em relação ao mesmo. Importante que os parafusos dos manetes estejam afrouxados levemente suficientes para o giro dos mesmos de forma justa para cima ou para baixo e utilizando uma régua ou qualquer outra referência, posicione os manetes entre 35 a 38 mm de distância para baixo da linha de referência (não se esqueçam de apertar os parafusos). Lembrando que a posição correta do guidão e dos manetes permitirá uma pilotagem em pé mais eficiente e segura nos diversos posicionamentos do corpo, que ao longo da prática vocês vão descobrir ser necessários.

Importante: não se esqueça de utilizar os recursos que normalmente os fabricantes disponibilizam para ajustar os manetes na distância ideal para o tamanho das mãos de vocês e também no ponto de atuação ideal do freio e embreagem atendendo a características da pilotagem de cada um.

Terceiro passo, ajuste na altura dos pedais de cambio e freio possibilitando o acesso correto e eficiente destes, principalmente quando se opta pela utilização de botas mais adequadas para uma pilotagem em todo o terreno, ou seja, botas com solados e estruturas mais rígidos e por consequência bicos mais altos.

Quarto passo, ainda falando de ajustes importantes a serem realizados na motocicleta. Pneus… uma questão muito delicada em ser abordado, principalmente quando se adquire uma Big Trail pensando na sua utilização em vias predominantemente pavimentadas. Aí não temos muito o que se preocupar em relação a pneus mais adequados para uso misto On/Off ou mesmo ainda mais Off que On existentes no mercado. Mas não importa o tipo de pneu que utilizaremos, e sim, o que podemos tirar de performance no que temos disponível na motocicleta, ou seja, precisamos primeiro decidir como a utilizaremos e com isso entender os diversos tipos de piso existentes, a partir dai, decidir pela solução ideal.

Os pisos ditos fora de estrada (não pavimentados) não permitem grandes aderências dos pneus que não foram pensados para isso, então por regra, independente do que temos calçados na motocicleta precisamos aumentar a área de contato dele no solo e aí que entra a técnica de abaixar a pressão dos pneus. Neste caso o cuidado que temos que ter é se o pneu da sua motocicleta é com câmara ou sem… Temos que levar em consideração se os pisos são de baixa aderência (lama, lisos), de baixa tração (areia) ou muito duro (pedras), ou ainda de todas as formas…  Vamos lá, sem câmaraPressão pneus podemos trabalhar com pressões mais baixas podendo chegar próximo 20 libras no dianteiro e 26 libras no traseiro, já o com câmera nas motos com menos tração podemos chegar no máximo 22 libras na dianteira e 28 na traseira evitando assim que o pneu rode e estoure a válvula da câmera. Importante, dependendo do tipo de piso (pedras) e ainda por serem muito baixo os perfis dos pneus disponíveis paras as Big’s não devemos baixar demais a pressão pois, facilmente os aros das rodas sofrerão muito impacto podendo amassar ou até mesmo quebrar, ou seja, deixando você não mão. Dica importante além das ferramentas para reparo nos pneus com ou sem câmera, levar sempre um par de câmeras mesmo que os pneus da sua motocicleta sejam sem câmera, desta forma quando tiver os seus aros amassados de tal forma que não segure mais o ar dentro pneu é hora de utilizarmos este recurso para continuarmos a diversão. (cont. parte 2)

Até a próxima e um grande abraço,

Luciano Peixoto